16 de março de 2017

REVISTA ESPINHO D'ÁGUA - OITAVA EDIÇÃO

Olá leitores da nossa Revista Espinho D'água! Saiu a nova edição. A oitava. Dessa vez mergulhamos no tema da competitividade, em vários aspectos, sociais, artísticos e até científicos. Embarque conosco nessa viagem. Basta clicar no link abaixo:



Revista Espinho D'água - 8ª edição



2 de março de 2017

CAÇADA CEGA


Após três anos de muito trabalho, pesquisa, discussões e prazeres literários, saiu finalmente a obra escrita em quatro mãos por mim e por Kiko Zampieri. Um Thiller com muito suspense que mistura realidade e ficção. Alguns dos maiores crimes do século XXI não solucionados pela polícia e outros criados por nós. Demos vida a essa obra repleta de mistérios, reviravoltas e romances. Recomendar a leitura dessa obra, fruto de muita paixão pela literatura e pelos livros!!! Abaixo o link onde o livro pode ser adquirido:

https://www.clubedeautores.com.br/book/220195--Cacada_Cega?topic=misterioedetetive#.WLhtMvkrLIU



8 de fevereiro de 2017

BANALIDADE SOBRE A MORTE - by Kiko Zampieri





Ainda nos sentimos tristes, pesarosos e indignados, quando uma pessoa próxima vem a falecer e a intensidade depende da maneira como ocorreu a morte. Se for de repente, um infarto fulminante, sentimo-nos perdidos, o chão parece sumir, nos questionamos, como pode acontecer estava tão bem ontem. Se é por violência ou acidente, ficamos estarrecidos e revoltados, como pode acontecer com ele, era tão bom, tão amigo, ser for um jovem então, os comentários ficam mais tensos. Exigimos punição da justiça, cobramos e mal falamos das autoridades, o governo não presta, é corrupto, a polícia tem medo dos marginais e o gosto da vingança escorre por nossos sentimentos.
Isso tudo quando acontece dentro do nosso rol, quando fora já temos uma outra visão, tudo vai depender da mídia e do acontecimento. Vamos pegar o exemplo do acidente aéreo com o time da Chapecoense, foi e ainda é, uma comoção mundial. Esse já é um bom motivo para que também nos comovemos, queremos fazer parte dessa dor, normal, faz parte do ser humano bem informado. Vemos na TV as famílias emocionados e desesperadas e tomamos inconscientemente o lugar delas, as comemorações, a solidariedade, doações vindo de todo mundo, ficamos aliviados de fazer parte de tudo isso. Mas.
E as mortes que não são televisionadas e com pouca importância, chacina na África, atos terroristas sem imagens de crianças sujas e feridas, as 75 pessoas mortas no Espírito Santo, são dores tão passageiras, pois não fazem parte da rede televisiva e não dão tanto Ibope.
Será que estamos perdendo a noção do quanto vale um sofrer por uma morte, por mais distante que estejam de nossos olhos, mas não de nossos ouvidos. Será que a vida de um assassino dentro de uma cadeia e morto pelos próprios colegas dão mais Ibope do que essas pessoas do bem que tem suas vidas ceifadas por puro prazer ou demonstração de poder.
Acredito que muitos seres humanos ainda precisam aprender sobre essa banalidade sobre a morte e até mesmo sobre o riso de uma piada, pois parece que o Bullying é muito mais engraçado que uma piada inteligente.
Só para lembrar, os esquecidos e mal informados, as cidades onde estavam os Campos de Concentração Nazista, tinham uma vida normal, enquanto homens, mulheres e crianças eram torturados e cremados vivos.

24 de outubro de 2016

SOMBRAS DE UMA ALCOVA - by Kiko Zampieri




No baile de formatura. Lá estava Pedro Lucas, nosso protagonista de uma série de histórias que lerão a seguir, copo com Gin Tônica na mão e o olhar aguçado nas jovens cheias de vida, que dançavam pelo salão.
Era um “cara” não muito comum, um metro e oitenta, corpo atlético, cabelos negros e curtos, olhos castanhos e pele amorenada. Profissão: Filósofo, ou seja, professor de Filosofia na rede estadual de ensino. Era nos bares, baladas ou boates, onde exprimia melhor a filosofia, artifício para suas melhores “cantadas”, que permitiam nunca sair sozinho no final da noite. Um amante mediano, bom nas preliminares, porém rápido nas finalizações, com “atributos” um pouco fora da média dos brasileiros, impressionava o sexo feminino com esmero, mas sem continuidade. Seus relacionamentos não duravam mais que um período lunar, eram fogosos na primeira vez, morno na segunda e não chegavam na quarta vez.
Nascera de um rápido relacionamento num cruzeiro pelas ilhas gregas, sua mãe, estudante de Hotelaria, teve um “affair” com o imediato do navio, Christopoulos, grego, moreno, forte e com os traços do Mediterrâneo, como ela sempre contava, fora feliz por alguns minutos e ganhara a felicidade de uma vida inteira com o nascimento de Pedro Lucas, em grego “Rochedo Luminoso”, em homenagem a paisagem que vira pela escotilha enquanto acolhia o seu “Deus Grego” sobre o seu corpo suado e arfante.
Voltando a festa de formatura, como um predador em busca de uma presa fácil, estava atento ao meio do salão, caminhava ao redor sempre com o olhar naquela multidão de jovens formandas e convidadas. Até que seu corpo parou e seu olhar ficou fixado em uma das mesas onde uma mulher, vestida de vermelho e de costas para ele, balançava seu corpo com sensualidade amena, não conseguiu ver seu rosto e também não conseguiu se aproximar, muita gente ao redor daquele local, ficou olhando por entre corpos, mesas e pedidos de licença, aquele corpo marcado pelo vestido justo e com abertura na lateral, deixando à mostra uma linda coxa torneada. Estava absorto pela imagem e ficou estático por alguns segundos, o bastante para que ela se virasse e deixasse que visse a imagem de uma deusa e pior, olhando fixamente para ele. Seu coração pela primeira vez trepidou e um soco imaginário atingiu seu estômago em cheio, o copo que segurava balançou e um pouco do líquido saiu pela borda tombada. Ela sorriu e começou a caminhar até ele. Pela primeira vez ele não conseguiu expressar nenhum trejeito de conquista. Um convite veio da boca vermelha, misturada num som hipnotizador. O copo quase caiu da sua mão, quando ela se aconchegou em seu peito e segurou sua mão que estava vazia e seguiu as notas musicais, ele estava completamente dominado pela forma e pelas atitudes daquela mulher. Acompanhou e aos poucos foi se restabelecendo. Deixou o copo numa das mesas e colocou-a nas costas nuas dela. Ficaram ali uma seleção inteira. Ao final ela beijou-lhe o rosto e colocou um cartão em sua mão e se despediu, sem dar chance ao galanteador e conquistador citar uma só frase de encantamento. Ficou ali parado no meio do salão entre os desenhos feitos no chão pelos spots e globos luminosos. Pela primeira vez saiu sozinho. Dormiu mal. Acordou nervoso.
No cartão havia um endereço e um dia de semana e um horário, sem telefone e apenas um nome “Luz”, que provavelmente seria o nome dela ou um pseudônimo. Guardou no bolso e voltou a sua rotina.
No dia e horário estava em frente a um prédio de apartamentos, entrou e foi até o porteiro, parecia comum a chegada de alguém com o tipo de cartão, pois ele olhou e apontou o elevador, sem nenhuma expressão. Sexto andar que pareceram doze, pela ansiedade e a expectativa. Ouvira uma série de casos de assalto e mortes, tremeu, mas prosseguiu, era uma experiência nova.
A porta do quarto estava destrancada, bateu duas vezes e ouviu uma voz dizendo para que entrasse. Entrou. O quarto estava a meia luz, um pequeno hall e depois um lindo quarto. Dispa-se foi o que ouviu e se banhe em seguida. Uma cadeira e um mancebo de madeira lustrada, serviram para que ele colocasse sua camisa, dobra-se a calça e colocasse na cadeira, os sapatos com as meias dentro foram colocados embaixo da cadeira. Nu entrou no banheiro, esperando encontrá-la, vazio. Toalha, sabonete novo, shampoo e condicionador. Meia hora depois saiu e na cama envolta pelo lençol a dama.
Ficou encabulado, como um adolescente que teria sua primeira relação sexual, estático, mudo e principalmente desorientado, e até surpreso consigo mesmo, pois nunca estivera numa situação como aquela.
Foi ela quem tomou as iniciativas, as preliminares, as decorrentes e as finalizações. Duas horas de sexo romântico, depois animal, depois romântico de novo e finalmente animal. Ele perdera a luta corporal, ferido em suas partes intimas, abdômen, peito e coxas. Ela se levantou como estivesse chegando, suavemente abriu uma entrada na parede e desapareceu. Ele recebeu aquilo como uma despedida e foi se levantando com dificuldade, caminhou até o banheiro e quase soltou um grito com a marca mostrada no espelho de dois filetes de sangue, agora quase secos, em sua garganta. Sua mente viajou pelos livros e filmes sobre vampirismo, engoliu seco e se desesperou. Viver eternamente, sugando sangue de gente inocente, um notívago, um monstro. Foi se acalmando, a fatalidade estava feita, tomou um banho, vestiu a roupa e antes de sair tentou forçar a entrada, não funcionou, saiu cabisbaixo, abriu a porta, temeu o sol, mas nada aconteceu, acreditava que ainda não havia se transformado.
Na semana seguinte, mais calmo e sem nenhuma transformação, ficou de tocaia próximo do prédio, de onde podia ver quem entrava ou saía. Pensou em questionar o porteiro, mas achou ridículo, voltou para casa ao anoitecer.
Uma semana. Duas semanas. Três semanas. A vida voltara ao normal, as aulas, as baladas, as cantadas e as mulheres, contudo nada parecia igual ao ato que tivera naquele quarto com aquela mulher, tanto que em algumas vezes, falhara ou tivera uma ejaculação precoce.
Foi depois de uma dessas falhas, saindo do motel com o seu carro, enquanto a moça revoltada saía com o dela, viu na calçada aquela mulher, instintivamente freou o carro e saiu em direção à ela.

- Está fugindo de mim? Indagou ela sensualmente e envolvente.

Sem que ele tivesse qualquer resposta, ela encostou seu corpo ao dele e deixou que seus lábios, suavemente, envolvessem os dele e sua língua procurasse a dele freneticamente. Pedro ficou de novo da mesma maneira que a primeira vez, porém conseguiu resistir e a empurrou.

- Você quase me matou!
- Eu só me apaixonei. Disse sem tirar os olhos fixados nos dele.
- Pensei até que iria virar um vampiro. Mostrou as marcas ainda em seu pescoço.

Ela insistiu e se aproximou, colocou suas mãos nas duas faces dele e forçou para um novo beijo e dessa vez sem resistência.
No final das contas, lá estava ele se levantando todo moído, cansado e ferido, porém dessa vez ela não saiu do quarto.
- Você virá toda semana, mesmo dia, mesma hora, ficará comigo por duas horas, não vai me questionar e nem me vigiar. A única coisa que tem que saber é que me apaixonei por você. Procurei você em muitos homens, jovens e mais velhos e agora sou toda e unicamente sua. Ordenou e saiu pela entrada da parede.
Daquele dia em diante, Pedro Lucas se tornou um instrumento de prazer daquela mulher, nunca questionou e nem a vigiou, apenas cedeu seu corpo ao bel prazer daquela mulher. Também não se tornou um vampiro, no mínimo um zumbi sexual. Está assim por vinte e dois anos e nem tem ideia de quando tudo isso vai se acabar. O que o incomoda é que nesses anos todos ela continua a mesma mulher da primeira vez.